Segunda-feira, 5 de Março de 2007

O drama da maternidade indesejada

A problemática da maternidade não desejada, do sofrimento daí resultante para os progenitores que, muitas vezes, se vêm obrigados a dar para adopção uma criança, sem dar conta do seu futuro, é um tema que sempre esteve presente em todas as sociedades.
 

Sentimentos como o medo ou vergonha de assumir perante a família ou sociedade comportamentos que esta pode reprovar, induzem, por vezes, à tomada de decisões marcantes nas suas vidas. Estas opções podem passar pela interrupção voluntária da gravidez, adopção ou até abandono, por vezes com desfecho trágico para os intervenientes.
 

O Crime do Padre Amaro aborda esta problemática, sendo, por isso, uma obra intemporal e bastante actualizada. No romance está bem patente toda a ansiedade de Amaro e Amélia, verificável nas seguintes passagens retiradas do mesmo:

 
Tomada de consciência da gravidez e o desespero


 
“… Amaro abria abruptamente a porta do escritório, fechou-a de repelão e, sem dar os bons-dias ao colega, exclamou:

-   A rapariga está grávida!

O cónego que estava escrevendo, caiu como uma massa fulminada para as costas da cadeira:

- Que me diz você?

- Grávida!

E no silêncio que se fez o soalho gemia sob os passeios furiosos do pároco da janela para a estante.

- Está você certo disso? - perguntou enfim o cónego com pavor.

- Certíssimo! A mulher já andava desconfiada. Já não fazia senão chorar… Mas agora é certo… As mulheres conhecem, não se enganam. Há todas as provas… Que hei-de fazer, Padre-Mestre? …. ”

 

(Página 271)


O sentimento de não ser aceite pela sociedade e família

 

“…. – Imagine você o escândalo! A mãe, a vizinha …. E se suspeitam de mim?... Estou perdido… Eu não quero saber, eu fujo!

O cónego coçava estupidamente o cachaço, com o beiço caído como uma tromba. Representavam-se-lhe já os gritos em casa, a noite do parto, a S. Joaneira eternamente em lágrimas, toda a sua tranquilidade extinta para sempre…”

 

(Página 271)

 

A tentativa de resolução da situação


“ … - Mas então que quer você? – disse o cónego. - Não quer decerto que se dê uma droga à rapariga, que a arrase…

Amaro encolheu os ombros, impaciente com aquela ideia insensata. O padre-mestre, positivamente, estava divagando…”

 

“ - De quantos meses está ela?

-De quantos meses? Está de agora, está de um mês…

- Então é casá-la! – Exclamou o cónego com explosão. - Então é casá-la com o escrevente!

O padre Amaro deu um pulo:

- Com diabos, tem razão! É de mestre! … “  

 

(Página 272)

  

“… Foi em casa do sineiro, daí a dias, que Amaro participou a Amélia o plano do padre-mestre. Preparou-a, revelando-lhe primeiro que o cónego Dias sabia de tudo…”

 

“… E agora escuta, filha. Não te aflijas com o que te vou dizer, mas é necessário, é a nossa salvação…

Às primeiras palavras, porém, do casamento com o escrevente, Amélia indignou-se com espalhafato.

- Nunca, antes morrer! …”

 

(Página 274)

 

A ponderação de uma solução

 

“ … Amélia recebia estas notícias com desconsolação. Depois das primeiras páginas, a irremediável necessidade impusera-se-lhe, muito forte. Por fim, que lhe restava? Daí a dois ou três meses com aquele seu desgraçado corpo de cinta fina e quadris estreitos, não poderia esconder o seu estado. E que faria então? Fugir de casa, ir como a filha do Tio Cegonha para Lisboa, ser espancada no Bairro Alto pelos marujos ingleses, ou como a Joaninha Gomes, que fora amiga do padre Abílio, levar pela cara os ratos mortos que lhe atiravam os soldados? Não. Então, tinha de casar…

Depois vir-lhe-ia um menino ao fim dos sete meses (era tão frequente!) legitimado pelo sacramento, pela lei e por Deus Nosso Senhor… E o seu filho teria um papá, receberia uma educação, não seria um enjeitado…”

  

(Página 277)


A consumação de uma solução

 

“… - Eu pensei que o Sr. Pároco tinha arranjado tudo… Que se ia dar a criança a criar fora da terra… - Está claro, está claro – interrompeu o pároco com impaciência. – Se a criança nascer viva, é evidente que se há-de dar a criar, e que há-de ser fora da terra… Mas aí é que está! Quem há-de ser a ama? É isso que eu quero que você me arranje. Vai sendo tempo…”

  

“ A Dionísia chegou-se ao pároco, e baixando a voz: - Ai, menino, eu não gosto de acusar ninguém. Mas, está provado, é uma tecedeira de anjos! (…) – O que é isso? Que significa isso? – perguntou o pároco. A Dionísia gaguejou-lhe uma explicação. Eram mulheres que recebiam crianças a criar em casa. E sem excepção as crianças morriam…”

 

(Página 232)

 

O fim

 

“ Meu caro Padre-Mestre:

Treme-me a mão ao escrever estas linhas. A infeliz morreu. Eu não posso, bem vê, e vou-me embora, por se aqui ficasse estalava-me o coração. Sua e Excelentíssima Irmã lá estará tratando do enterro… Eu, como compreende, não posso. Muito lhe agradeço tudo… Até um dia, se Deus quiser que nos tornemos a ver. Por mim conto ir para longe, para alguma pobre paróquia de pastores, acabar meus dias nas lágrimas, na meditação e na penitência. Console como puder a desgraça da mãe. Nunca me esquecerei do que lhe devo, enquanto tiver um sopro de vida. E adeus que nem sei onde tenho a cabeça.

Seu amigo do C.

Amaro Vieira

P.S. – A criança morreu também, já se enterrou. "

 

(Página 359)

 

Fontes:

  • QUEIRÓS, Eça de (1980), O Crime do Padre Amaro, 271, 272, 274, 277, 232, 359. Lisboa: Livros do Brasil
Sentimo-nos: Investigadores
Publicado por Twice às 11:52
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
2 comentários:
De Júlia Santos a 5 de Março de 2007 às 13:53
Excelente, excelente!
Uma análise da obra de grande qualidade.
Parabéns


De cabecinhapensadora a 22 de Abril de 2007 às 20:23
Continuamos a gostar. Tá muito fixe. Qualidade é com vocês


Comentar post

Mais sobre nós

Pesquisar neste blog

 

Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Posts

A Minha Comunidade

Finalista SAPO Challenge ...

Cenas Cortadas no Arquivo...

Agradecimentos do Clã Twi...

Twice no 8º Programa SAPO...

Twice no Telejornal da RT...

Manuscritos de Eça de Que...

Representante do Distrito...

O nosso Banner

O drama da maternidade in...

Do real ao romance

O Jornalismo no Crime do ...

EÇAs cenas hilariantes...

Encenação de uma cena do ...

Anúncio do Crime do Padre...

Citação Queirosiana da Se...

Notas soltas

Anagrama

Passeio Queirosiano

O romancista Eça de Queir...

Eça de Queirós nasceu em ...

Entrevista ao Dr. Acácio ...

Entrevista à Dra. Isabel ...

Entrevista à Prof. Dulcel...

Vídeo da Reportagem - Eça...

Arquivos

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Tags

todas as tags

Links

As minhas fotos

Contador de visitas

Faz o download do Adobe Flash Player
blogs SAPO

Subscrever feeds