Quarta-feira, 14 de Fevereiro de 2007

Dia dos Namorados

O Crime do Padre Amaro é um exemplo do amor incondicional e capaz de ultrapassar grandes adversidades. Assim, não podemos deixar de recordar o dia 14 de Fevereiro, Dia dos Namorados, sem aqui deixar uma das cartas de Amaro à sua amada Amélia:

 

     "Ameliazinha do meu coração [dizia ele]. Não posso atinar com as razões maiores que a não deixaram responder ao bilhetinho que lhe dei em casa da senhora sua mamã; pois que era pela muita necessidade que tinha de lhe falar a sós, e as minhas intenções eram puras, e na inocência desta alma que tanto lhe quer e não medita o pecado.

     Deve ter compreendido que lhe voto um fervente afecto, e pela sua parte me parece (se não me enganam esses olhos que são os faróis da minha vida, e como a estrela do navegante), também tu, minha Ameliazinha, tens inclinação por quem tanto te adora; pois que até outro dia, quando o Líbano quinou com os seus primeiros números, e que todos fizeram tanta algazarra, tu apertaste-me a mão por baixo da mesa com tanta ternura, que até me pareceu que o Céu se abria e que eu sentia os anjos a entoarem o Hossana! Por que não respondeste pois? Se pensas que o nosso afecto pode ser desagradável aos nossos anjos-da-guarda, então te direi que maior pecado cometes trazendo-me nesta incerteza e tortura, que até na celebração da missa estou sempre com o pensar em ti, e nem me deixa elevar a minha alma ao divino sacrifício. Se ouvisse que este mútuo afecto era obra do Tentador, eu mesmo te diria: ó minha bem-amada filha, façamos o sacrifício a Jesus, para lhe pagar parte do sangue que derramou por nós! Mas eu tenho interrogado a minha alma e vejo nela a brancura dos lírios. E o teu amor também é puro como a tua alma, que um dia se unirá à minha, entre os coros celestes, na bem-aventurança. Se tu soubesses como eu te quero querida Ameliazinha, que até às vezes me parece que te podia comer aos bocadinhos! Responde pois, e diz se não te parece que poderia arranjar-se a vermo-nos no Morenal, pela tarde. Pois eu anseio por te exprimir todo o fogo que me abrasa, bem como falar-te de coisas importantes e sentir na minha mão a tua, que eu desejo que me guie pelo caminho do amor, até aos êxtases de uma felicidade celestial. Adeus, anjo feiticeiro, recebe a oferta do coração do teu amante e pai espiritual"

Amaro

Fontes:

  • QUEIRÓS, Eça de (1980), O Crime do Padre Amaro, 125-6. Mem-Martins: Livros de Bolso Europa-América
Sentimo-nos: Apaixonados
Publicado por Twice às 15:34
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Mais sobre nós

Pesquisar neste blog

 

Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Posts

A Minha Comunidade

Finalista SAPO Challenge ...

Cenas Cortadas no Arquivo...

Agradecimentos do Clã Twi...

Twice no 8º Programa SAPO...

Twice no Telejornal da RT...

Manuscritos de Eça de Que...

Representante do Distrito...

O nosso Banner

O drama da maternidade in...

Do real ao romance

O Jornalismo no Crime do ...

EÇAs cenas hilariantes...

Encenação de uma cena do ...

Anúncio do Crime do Padre...

Citação Queirosiana da Se...

Notas soltas

Anagrama

Passeio Queirosiano

O romancista Eça de Queir...

Eça de Queirós nasceu em ...

Entrevista ao Dr. Acácio ...

Entrevista à Dra. Isabel ...

Entrevista à Prof. Dulcel...

Vídeo da Reportagem - Eça...

Arquivos

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Tags

todas as tags

Links

As minhas fotos

Contador de visitas

Faz o download do Adobe Flash Player
blogs SAPO

Subscrever feeds